7 de julho de 2011

De olívias

(em resposta a uma colorida colcha de retalhos recebida pelo correio)


Querida Marisse,


A colcha de retalhos chega em tão boa hora. Feita pra acolher e levar os pés ao chão. E ao colocá-los no chão, na nossa Terra, deixarmos trocar toda a energia que nos faz caminhar e querer viver um pouco mais e um pouco mais e um pouco mais.

Pensar na Olivia em meu colo, entre panos, pensar em estar com a Olivia pelo chão, na colcha de retalhos, é conectar-me com uma possibilidade imensa e feliz de ter mais uma vez a oportunidade de construir minhas raízes. De aprender a tê-las e fazê-las nascer.

O nome da Olívia, dos galhos retorcidos, das raízes antigas e profundas, é o meu nome de criança. Ter a Olívia nos braços, no meu corpo, é minha chance também de embalar a minha criança que vive lá dentro, de ensiná-la a por os pés no chão, de retorcer meus troncos, mais para o fundo da terra (porque na sensação de abandono aprendi muito a fazê-los correr atrás da luz do sol, e esqueci que lá no fundo da terra também se busca o sustento).

A maternidade é também minha oportunidade de criar em mim a minha criança que ficou lá atrás um pouco esquecida, que me vem com um força incontida e alegre, mas que me bate à porta com insistência pra cuidar do seu abandono. 

Olívia está para chegar. E seja ela quem for, expresse ela o que puder e quiser, terá em mim os braços e o colo de quem deseja a ela que encontre suas raizes, e as saiba arrancar.

Olívia está para chegar. E sua chegada já regenera a minha criança de dentro. Aprenderemos juntas, se pudermos. E enquanto a observo nas suas escolhas de cheiros e solos, tateio meus escuros e aprendo também a me presentear com o tempo das minhas raízes.

Nós duas esperamos você (e a olívia que tem em você) e as suas olívias que você gerou e acolhe (vicente, marina e giulia), para sentarmos todos na colcha de retalhos. No fundo de quintal, na frente do mar.

Da Olívia que tem em mim, e da Olívia que chegará em março.

Florianópolis, 04 de fevereiro de 2011.

3 comentários:

Denise disse...

Que lindo!

Luís Filipe disse...

Fiquei emocionado!

Alexandre Kuki disse...

Camila é poesia!