16 de abril de 2010

O círculo do meu mundo

A obra de Clarice Lispector foi publicada em Portugal, pela primeira vez, em 1989, através dos contos reunidos em “Laços de Família”, pela editora Relógio D´Agua.

O prefácio foi escrito por Lídia Jorge e se chamava “Para Clarice”. Tocou no que importa de Clarice, do que fica de Clarice quando todas as interpretações literárias se esgotam. Citou o fundamental. A entrevista de Clarice à TV cultura de São Paulo, na qual, depois de longas pausas e reticências, terminou a conversa dizendo: "Neste momento estou morta."

Ao final do belo prefácio, Lídia Jorge diz:

Ao Vergílio Ferreira que me deu a conhecer Clarice.
 Lisboa, 26 de Novembro de 1989.”

(O Diogo vai entender.)

3 comentários:

Juliana Carioni disse...

"Clarice nos dá uma rasteira, nos deixa mudos, nos coloca numa montanha-russa e sempre fortalece a nossa capacidade de amar." Teresa Monteiro.
A Clarice é totalmente singular. Vou roubar este vídeo Camila ;-)
Beijos!

c. disse...

à vontade, Juliana. Clarice é pra ser roubada sempre!

Pedro Camacho disse...

que bonito!